Notícias

08/06/2022

CNT participa da OIT e defende requalificação do trabalhador para garantir futuro das empresas

Em evento organizado pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), durante a 110ª Conferência Internacional do Trabalho da OIT (Organização Internacional do Trabalho), dia 7 de junho, em Genebra, na Suíça, o presidente da Confederação, Vander Costa, falou sobre o mercado de trabalho mundial. Costa afirmou que há uma necessidade premente em qualificar e requalificar o trabalhador de modo a assegurar o futuro das empresas e, paralelamente, aumentar a empregabilidade.

Vander Costa, que é o delegado da bancada de empregadores do Brasil da assembleia da OIT, ressaltou que a pandemia acelerou o uso de tecnologias e a digitalização dos negócios e que a adoção de novas soluções pelas empresas transformou tarefas, empregos e habilidades. “Isso impôs desafios e dificuldades, desde a reestruturação empresarial até a necessidade de mão de obra mais especializada”, disse. O executivo enfatizou que um dos pilares da transformação digital são os recursos humanos, já que as pessoas representam variável crítica e indispensável nesse processo. Ele alertou, porém, que ainda há descompasso entre o ritmo de mudanças na economia e na sociedade e o ritmo das mudanças das pessoas.

“O Brasil tem mais de 11 milhões de desempregados. Logo, a atenção à educação profissionalizante e à aproximação entre governo, setor privado e sistemas que promovem a formação profissional deve ser uma pauta prioritária”, salientou Vander Costa, relembrando o papel estratégico do Sistema S, no Brasil, na preparação do trabalhador do futuro e no auxílio àqueles com dificuldades para acessar o mercado de trabalho formal. “Trata-se de um modelo exitoso, que pode servir de referência para outras nações”.

A importância de gestões voltadas para que sejam cada vez menores as ocorrências de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais também foi citada por Vander Costa, que ainda ressaltou a atuação dos empregadores brasileiros, junto aos poderes públicos, para avançar na modernização da agenda trabalhista no Brasil, visando um melhor ambiente de negócios.

Foto: Divulgação / CNT