Notícias

25/02/2016

Diálogo Jovem dá a largada nas atividades do ano

O programa Diálogo Jovem sobre Mobilidade deu início às ações de 2016, no dia 24 de fevereiro, na Fundição Progresso, com a oficina Inspiração e Engajamento. A atividade reservou algumas surpresas para os participantes, em sua maioria, integrantes de empresas associadas ao Sistema Fetranspor. Na primeira dinâmica do dia, cada jovem foi convidado a se apresentar e falar sobre o que o inspirava no seu dia a dia. Família, amigos, paz, lidar com as pessoas e com o mundo foram algumas das fontes citadas.

 

Foto: Jorge dos Santos

Foto: Jorge dos Santos

 

Na sequência, a jovem Tülin Hashemi, uma refugiada da Síria, deu seu testemunho para os participantes. Ela falou spbre razões que a levaram a tomar a decisão de sair do seu país e buscar abrigo no Brasil. “No meu país a mulher não é valorizada. Além disso, precisava sair de lá em função de toda a situação de conflito”, contou. Os jovens aproveitaram a presença de Tülin para fazer perguntas sobre as dificuldades enfrentadas para chegar até o Brasil, como se manter em um país tão diferente do seu, e se um dia pretende voltar para a Síria. Distribuindo simpatia, Tülin disse que antes de chegar ao Brasil passou pela Turquia e procurou o consulado Brasileiro para conseguir o visto. “Consegui o visto em uma hora e
comprei logo a passagem. Aqui fui para a Polícia Federal e em um dia já estava com documentos em mãos. Estou muito feliz aqui e não penso em voltar nunca”.

 

Foto: Jorge dos Santos

Foto: Jorge dos Santos

 

Após intervalo para o almoço, o jornalista Michel Silva, morador da Comunidade da Rocinha, que lançou um jornal digital logo após a instalação da UPP e a consequente pacificação do local, ministrou palestra. Michel ganhou destaque com o jornal Fala Roça, projeto que lhe rendeu um prêmio na Agência de Redes para a Juventude, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Cultura. O projeto do jornalista era instituir um canal que ouvisse as necessidades e anseios dos moradores da Rocinha. “Queria dar voz aquelas pessoas que estavam próximas de mim e não tinham a oportunidade até então”, resumiu.