Notícias

16/10/2020

Diretora da Fetranspor modera debate da Latin America Week sobre futuro do ônibus

A diretora de Mobilidade Urbana da Fetranspor, Richele Cabral, participou como moderadora da Latin America Week 2020, realizada pela UITP América Latina, que debateu o futuro do transporte no pós-pandemia da Covid-19. O evento foi realizado virtualmente e contou com representantes do segmento de transporte público de vários países latino-americanos.

Richele moderou uma das sessões “Ônibus”, cujo tema foi “Para o setor de transporte por ônibus, se hoje a luta é pela sobrevivência, o que será de amanhã?”, e da qual participaram como palestrantes: o presidente do Corredor Insurgentes S.A. de CV (CISA), do México, Nicolás Rosales Pallares; o diretor da Divisão de BRT do Grupo ADO, do México, Juan Pablo Fernández; o diretor presidente da Empresa Sarmiento SRL, Luis Sarmiento, e o diretor de Inovação do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana – PE) e conselheiro de Inovação da NTU, Marcelo Bandeira, representando o Brasil. De acordo com Richele, a mesa foi unânime em afirmar que a pandemia se transformou numa oportunidade para o segmento trabalhar no sentido de garantir sua sobrevivência no futuro. “A pandemia não foi o grande problema da crise no segmento. Já ficou comprovado que o setor vinha enfrentando problemas muito antes”, destacou.

Entre as propostas para esse enfrentamento, Richele informou que estão: o subsídio e o financiamento, evitando que a tarifa seja a única fonte de receita, e a sobretaxação do transporte por aplicativo. “Diferente do Brasil, outros países, como México e Argentina, já adotam esta medida. No México, por exemplo, a tarifa de ônibus custa seis pesos e a do transporte por aplicativo feito por automóvel custa 60 pesos. É um valor tão mais caro que este tipo de transporte não chega a concorrer com o ônibus. Isso precisava ser feito no Brasil”, defende a diretora da Fetranspor.

Paralelamente ao seminário, foi realizada uma feira, também virtual. Segundo Richele, o modelo de evento adotado foi pioneiro no transporte, pois permitiu que as pessoas visitassem os estandes, interagindo com robôs e podendo inclusive agendar horário para falar com o representante do produto ou serviço.