Notícias

28/04/2016

Fetranspor faz palestra sobre obrigatoriedade do exame toxicológico para motoristas

No dia 27 de abril, a gerência de Qualidade da Fetranspor, em parceria com a Universidade Corporativa do Transporte, promoveu palestra para esclarecer sindicatos e empresas sobre a lei 13.103/2015, que regulamenta a obrigatoriedade da realização de exames toxicológicos pelos motoristas de ônibus, e o estabelecimento de um Programa de Promoção de Saúde.

 

A palestra foi dividida em duas partes. Na primeira, a diretora da UCT, Ana Rosa Bonilauri, falou sobre a nova legislação e os impactos que está provocando nas empresas de ônibus. Por determinação da lei, desde o mês de março os motoristas passaram a ser obrigados a fazer exame toxicológico na admissão e na demissão do trabalho (custeado pela empresa) e na habilitação, renovação ou mudança de categoria C, D e E da carteira de motorista (custeado pelo próprio). O exame, que tem uma janela de detecção de 90 dias e pesquisa substâncias como maconha, cocaína, crack, morfina e anfetaminas, precisa ser realizado nos laboratórios credenciados no Denatran e tem validade de 60 dias a partir da coleta da amostra. Ana Rosa falou também sobre procedimentos internos que o RH das empresas podem realizar para maior segurança na implantação da lei.

 

Foto: Jorge dos Santos

Foto: Jorge dos Santos

 

A segunda parte foi ministrada pelo gerente da UCT, Ronaldo Luzes, que abordou o tema “Programa de Promoção de Saúde”. Segundo Ronaldo, não existe um modelo ideal para o programa, existem diferentes possibilidades de abordagem da questão. O importante é que as empresas desenvolvam políticas de prevenção que realcem os fatores de proteção e minimizem os de risco, trazendo benefícios tanto para os trabalhadores, como para as organizações.

 

“Os impactos da nova lei nas empresas é grande. Essa palestra serviu para que empresas e sindicatos tirassem dúvidas para implementar de forma segura as mudanças”, afirmou Taisa Abbas, analista de Qualidade da Fetranspor.