Notícias

26/05/2017

Licenciamento ambiental e controle de emissões são temas de palestra na SPAT

“Meio ambiente e transporte” foi o tema central dos debates do dia 18 de maio, na SPAT (Semana de Prevenção de Acidentes do Trabalho do Setor de Transporte 2017), promovida pelo Sest Senat Deodoro, entre 15 e 19 de maio. Os trabalhos foram abertos pela diretora da unidade, Marli Piay, que destacou a importância de se promover a união em prol da produtividade do setor. O supervisor do Conselho Nacional do Sest Senat Rio de Janeiro, Edélcio Luduvice, elogiou o fato da unidade Deodoro, a partir da realização da SPAT, contribuir para que a entidade Sest Senat encontre caminhos para a prevenção de acidentes.

 

Cristiane Chafim, coordenadora de Meio Ambiente da Fetranspor, foi a primeira palestrante do dia e falou sobre “Requisitos legais para licenciamento ambiental de empresas de transporte e logística no Estado do Rio de Janeiro”. Ela destacou os riscos que existem dentro de uma empresa e a necessidade de licenciamento para o funcionamento de uma garagem de ônibus, explicando sobre legislação, órgãos responsáveis por esta área, direito ambiental, crimes ambientais e competências constitucionais, entre outras coisas. Chafin também apresentou as exigências necessárias para as adequações ambientais em uma garagem de ônibus, com destaque para as áreas de descarga de combustível, abastecimento, tancagem, lavagem de veículos e peças, manutenção, funilaria e pintura e armazenamento de resíduos.

 

Foto: Divulgação / Sest Senat Deodoro / Danielle Costa

Foto: Divulgação / Sest Senat Deodoro / Danielle Costa

 

Em seguida, o engenheiro e gerente de Planejamento e Controle de Operações da Fetranspor, Guilherme Wilson, falou sobre “A contribuição dos projetos Despoluir e EconomizAR para a preservação do meio ambiente e a saúde da população no Estado do Rio de Janeiro”. Wilson começou sua palestra lembrando a crise ambiental mundial. “A mais relevante é o aquecimento global, agravado pelos efeitos da atividade humana sobre o meio ambiente e principalmente pela emissão de gases poluentes. E nosso setor tem impacto ambiental devido ao consumo de óleo diesel e à queima desse óleo”, afirmou. O gerente explicou ainda sobre a matriz energética brasileira, na qual o diesel representa 45,2%. E falou do consumo de energia por passageiros transportados por quilômetro por modo de transporte, informando ser o automóvel o grande vilão.

 

Segundo Wilson tanto os motores brasileiros como a qualidade do óleo diesel evoluíram consideravelmente nos últimos anos, o que contribuiu para a diminuição da poluição ambiental. Ele destacou o importante papel dos Projetos EconomizAR e Despoluir, realizados pela Fetranspor e sindicatos dentro das garagens de ônibus, há 20 anos, no controle da emissão de fumaça preta pelos ônibus e para a racionalização do consumo de combustível. Atualmente, de acordo com o engenheiro, quase toda a frota de ônibus do Estado do Rio de Janeiro (98%) é atestada com o Selo Verde, que garante que os veículos operam dentro dos padrões exigidos pela legislação.