Notícias

21/10/2015

Mobilidade Sonora encerra temporada 2015 com apresentação para mais de 600 alunos

Para encerrar a 5ª temporada do Mobilidade Sonora, cujo tema foi o diálogo, jovens músicos do projeto Villa-Lobos e as Crianças realizaram duas apresentações para alunos de 10 escolas municipais e estaduais e participantes de ONGs, na Cidade das Artes, nessa quarta-feira, 21 de outubro, nos períodos da manhã e da tarde. Olhares atentos, cheios de admiração e empolgação refletidos em muitas palmas, comprovaram a satisfação do público.

 

Foto: Arthur Moura

Foto: Arthur Moura

 

“É o primeiro contato que eles têm com a música popular brasileira realmente. Gosto de música e gosto de passar essa música que tem raízes do nosso povo, algo diferente do cotidiano deles. Durante a viagem, no ônibus, eles já estavam empolgados porque poucos saem de onde moram”, explica Maria da Glória Maciel, professora da turma da pré-escola do Ciep Compositor Donga.

 

A rotina dos seus alunos é entre o colégio e uma entidade filantrópica, deixando-os com o dia ocupado para que os pais trabalhem. “Às vezes, perguntamos o que fizeram nos seus fins de semana e percebemos que dificilmente saem dessa região. Por isso, eventos como este representam um novo mundo”, completa Maria da Glória, que também educa através da música trabalhando com um projeto baseado em Vinícius de Moraes. E agradece: “A iniciativa do Rio Ônibus é muito boa para a escola pública; para a sociedade que está crescendo”.

 

De jovens para jovens

 

No total, o Rio Ônibus e a Fetranspor Social disponibilizaram, juntos, 15 ônibus para transportar 675 alunos da rede pública de ensino, entre pré-escola e Ensino Médio. Desde o início da temporada de 2015, em maio, foram realizadas cerca de 10 apresentações do projeto Villa-Lobos e as Crianças, formado pelas Orquestras Filarmônica, de Cordas e Popular Tuhu. O repertório de encerramento, comandado pelo maestro Sérgio Barboza, contou com Villa-Lobos, Beethoven, Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha, Vinícius e Tom Jobim, entre outros; uma variedade de clássicos, com arranjos bem brasileiros, retratando todas as misturas da nossa cultura e bem acompanhados de verdadeiras aulas de história durante os breves intervalos.

 

Foto: Arthur Moura

Foto: Arthur Moura

 

“Para mim, o projeto Mobilidade Sonora é um dos maiores projetos de formação de plateia do Brasil. Nosso público é bastante acostumado com televisão e rádio, e o Mobilidade modifica este cenário. Esta foi a primeira vez que sua programação se estendeu durante o ano com concertos didáticos, um verdadeiro ganho que possibilitou criar um impacto mais interessante, já que antes era somente em um semestre. São estudantes tocando para estudantes, e isso pode estimular os espectadores pelo fato deles se identificarem e pensarem que também podem fazer o mesmo”, diz o maestro.

 

“Educar através da música, para o professor que não tem música como sua especialidade, é um instrumento. Para o músico professor, educar é trazer respeito ao trabalho de coletividade sem perder a individualidade. É assim que funciona uma orquestra e esta é a nossa sociedade; temos de ter o nosso princípio de cidadania respeitado”, completa.