Notícias

09/07/2015

Pesquisa Datafolha mostra satisfação de 74% dos usuários do sistema BRT

Pesquisa realizada pelo Datafolha, entre os dias 25 de março e 12 de abril de 2015, por solicitação do Consórcio BRT, mostrou que 74% dos passageiros do BRT aprovam o serviço e que, para 90% dos pesquisados, a principal vantagem de utilização do sistema é a rapidez da viagem.

 

Os usuários dos BRTs Transcarioca e Transoeste foram entrevistados nos horários de 5h as 10h e de 16h as 21h, em dias de meio de uma semana típica e em um fim de semana. Foram feitas 3.621 entrevistas, em 34 estações, sendo 2.239 no corredor TransCarioca (21 estações) e as restantes 1.382 no TransOeste (13 estações). A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%.

 

Foto: Mirian Fichtner

Foto: Mirian Fichtner

 

Perfil do passageiro

 

O passageiro do sistema BRT é jovem, tem em média 34 anos, com predominância do sexo masculino (59%), escolaridade de nível médio (52%) e renda familiar entre dois e cinco salários mínimos. A grande maioria (90%) faz parte da população economicamente ativa e utiliza o sistema de forma bastante frequente – 70% disseram usar durante cinco ou mais dias na semana, e o trajeto principal é para ida e volta do trabalho (73%).

 

O tempo, ou principalmente a falta dele, é o fator principal na hora de uma pessoa optar por um meio de transporte. A rapidez na viagem, desde o ponto de origem até o destino final, é de fundamental importância nos dias de hoje, em que todos têm agendas repletas de compromissos diários. A pesquisa avaliou o tempo médio gasto com o percurso do ponto de origem até a estação de BRT. Verificou que 61% dos usuários levam até meia hora nesse trajeto e que 59% fazem a viagem de BRT em até 30 minutos. Em ambos os casos, os passageiros do corredor TransCarioca despendem menos tempo do que os do TransOeste.

 

Vantagens x desvantagens

 

Para 86% dos pesquisados (90% do TransCarioca e 81% do TransOeste), a maior vantagem de utilização do BRT é a rapidez dos deslocamentos. Já a maior desvantagem, apontada por 69%, é a falta de comodidade, principalmente por causa da superlotação. Dentre os entrevistados, 80% afirmaram que nunca enfrentaram problemas em suas viagens. Dos 20% que disseram ter encontrado alguma dificuldade, a predominância (23%) foi com relação à catraca.

 

Os respondentes mostraram-se satisfeitos com a maioria dos itens pesquisados. Dentre os mais bem avaliados estão a rapidez, a educação dos motoristas, a qualidade dos veículos, sua limpeza e conservação. Quanto aos pontos fracos, foram apontados o número de ônibus, o tempo de espera e a segurança em relação a assaltos e acidentes.

 

A média de entrevistados que utilizam a internet é alta – 80%. O número de pessoas que já acessaram o site do BRT, porém, é ainda pequeno (16%), mas a avaliação é positiva. Os percentuais de uso das redes sociais são de 85% para Facebbok, 83% para WhatsApp e 27% para Twitter.

 

Utilização do RioCard

 

Declararam possuir algum cartão do sistema RioCard 96% dos participantes da pesquisa. Desses, 53% costumam recarregar o seu próprio cartão e 43% delegam a outra pessoa. A maneira mais comum de recarga do cartão RioCard é nas bilheterias das estações e terminais. Todos os questionados costumam recarregar o seu próprio cartão nas bilheterias: 62%, nas máquinas de autoatendimento e 5%, pela internet. Esta, porém, é a forma que obteve melhor avaliação dos pesquisados, com nota 7,8.

 

A superlotação dos ônibus, principal problema apontado pela pesquisa, é fruto exatamente da grande adesão que teve o sistema BRT. Por oferecer viagens mais rápidas e veículos modernos e seguros, os corredores rapidamente tornaram-se preferidos por grande parcela da população, gerando excesso de demanda que, segundo recentes declarações do secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani, deverá ser absorvida parcialmente pelos novos BRTs, com funcionamento previsto para o ano que vem: o Transbrasil (Deodoro – Centro) e o Transolímpico (Deodoro – Recreio). O consórcio BRT, por sua vez, já informou à população o iminente reforço da frota com mais 25 veículos.

 

Problemas e soluções

 

Uma questão não contemplada na pesquisa vem causando grandes prejuízos ao consórcio encarregado de operar o sistema, além de contribuir para a superlotação. Vândalos invadem as estações e quebram vidros e catracas, e muitos embarcam sem pagar a passagem, arriscando-se para entrar nos trens sem passar pelas roletas, conforme a mídia vem mostrando. Os empresários chamam a atenção para a necessidade de se aumentar a segurança nas estações e seus entornos.

 

Apesar desses problemas, os índices de adesão e de aprovação mostram que o BRT é uma solução que já deu certo. Problemas iniciais ocorrem na implantação de vários sistemas, conforme declarou recentemente o presidente da Ebarq Brasil, Antônio Lindau: “um dos grandes problemas do BRT são as primeiras linhas. Elas são parte de uma rede que não começa toda ao mesmo tempo. Então, esses ajustes são naturais. Isso aconteceu em todos os BRTs inaugurados no planeta”, afirmou.

 

Em 10 de junho último, trabalho sobre o BRT do Rio, assinado por Fetranspor, Rio Ônibus e Consórcio BRT, foi vencedor do “UITP Awards 2015”. O prefeito Eduardo Paes expressou sua satisfação declarando que, para ele, “receber este prêmio demonstra o quanto o BRT é transformador na vida dos cariocas. Estamos orgulhosos e vamos continuar avançando em mobilidade urbana para melhorar a qualidade de vida da população, integrando as regiões da cidade. Queremos um Rio cada vez mais unido”, assegurou.