Notícias

28/05/2015

Rio Ita abre suas portas para clientes e apresenta estrutura e funcionamento da garagem

Capotaria, fibras, motores, freios, eixos, manutenção elétrica, altenador, lavador de peças, até mesmo a confecção de peças acontece na chamada área industrial do grupo Rio Ita – unidade BR101 -, em São Gonçalo. E na manhã desta quarta-feira, 27 de maio, clientes que entraram em contato com o Fale Ônibus, a central de relacionamento com o cliente das empresas de ônibus do Estado do Rio, para fazer uma reclamação, elogio ou sugestão puderam conhecer tanto a estrutura da empresa quanto o seu funcionamento através do Programa Empresas de Portas Abertas.

 

Foto: Arthur Moura

Foto: Arthur Moura

 

Elizabeth Udney Pinheiro, que não conhecia este tipo de ação, considerou interessante a chance de entender um pouco mais das atividades de uma empresa de ônibus, pois a população julga de uma forma, e é outra. “Mas ainda existem erros que precisam ser melhorados”, completa a aposentada.

 

Um dos destaques da garagem é a estação de reuso de água: há 3 anos, a unidade investiu cerca de R$ 90 mil no projeto e atualmente 80% do consumo de água em toda a área industrial vem do processo de reutilização. A frota (aproximados 400 veículos) é lavada diariamente, e cada um necessita pouco mais de 350 litros para serem limpos. A capacidade da cisterna para o armazenamento das águas da chuva e das lavagens pré-tratamento é de 350 mil litros. Dessa forma, a instituição colabora com a preservação do meio ambiente e poupa este importante recurso natural em favor da sociedade.

 

Os convidados foram recebidos pela equipe de Qualidade e pelas gerências de Manutenção, Operação, Planejamento e Geral da unidade, e todos esclareceram as ocorrências de cada um, seguindo a habitual forma de tratá-las. Para a Rio Ita, a oportunidade de escutar o cliente final é muito positiva e as reclamações são fundamentais na identificação de problemas. “Nós as escutamos e estamos prontos para resolvê-las. Se estivermos errando, pediremos desculpas e vamos melhorar. Caso contrário, poderemos comemorar”, afirma Carlos Alfredo Campos de Souza Filho, gerente operacional.