Notícias

23/06/2015

Santos discute mobilidade urbana em Congresso da ANTP

A cidade de Santos, além de ser conhecida por suas belas praias e também por ter projetado Pelé para o mundo, passa a ser centro das discussões pela melhoria da mobilidade urbana. A cidade sedia o 20º Congresso Brasileiro de Transporte e Transito e também a 9ª edição da Intrans – Exposição Internacional de Transporte, ambos promovidos pela Associação Nacional dos Transportes Públicos.

 

A solenidade de abertura contou com a presença do presidente da ANTP, Ailton Brasiliense Pires, do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, além de representantes de instituições públicas e privadas ligadas à mobilidade urbana e, também, especialistas do segmento.

 

Foto: Renato Siqueira

Foto: Renato Siqueira

 

Ailton Brasiliense agradeceu a presença de todos e disse que o papel da ANTP com o Congresso é “qualificar a vida urbana através do transporte”. Já o prefeito de Santos, Paulo Barbosa, citou os investimentos feitos em mobilidade na cidade. “Implantamos wi-fi em 100% da frota de ônibus urbano e 52% já estão equipados com ar condicionado. Além disso, temos a parceria com o governo do Estado para a implantação do VLT, sem contar as obras de melhoria na entrada da cidade que recebe 12 mil caminhões diariamente em função do porto, o maior da América Latina”.

 

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, lembrou as manifestações sociais realizadas em 2013 e falou sobre os investimentos que o Governo Federal vem fazendo para melhoria da mobilidade nas cidades brasileiras. “O transporte público é uma das demandas da população brasileira. O Governo e os estados têm investido. Somente em Santos, estamos com aportes de R$ 1,7 bilhão”, disse.

 

Foto: Verônica Abdalla

Estande da Fetranspor no Intrans | Foto: Verônica Abdalla

 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, mostrou os impactos diretos da mobilidade urbana na qualidade de vida das pessoas e que, atualmente, deve ser pensada de modo metropolitano. Como forma de proteger o setor de transportes e evitar o aumento do custo para a população, Alckmin pediu engajamento de todos os representantes do setor para que não haja reajuste na cobrança de impostos sobre a folha de pagamento das empresas de transportes como proposto pelo Governo Federal. “É necessária a união dos entes para que se permaneça a alíquota de 2% de maneira que não haja aumento de tarifa e falta de investimentos no setor”, finalizou.